domingo, Março 14, 2010




A Praia III - Passado, Presente e Futuro ( A Eternidade... )












And what if I never kiss your lips again Or feel the touch of your sweet embrace How would I ever go on Without you there's no place to belong Well someday love is gonna lead you back to me But 'til it does I'll have an empty heart So I'll just have to believe Somewhere out there you thinking of me Until the day I'll let you go Until we say our next hello It's not goodbye 'Til I see you again I'll be right here rememberin' when And if time is on our side There will be no tears to cry On down the road There is one thing I can't deny It's not goodbye You'd think I'd be strong enough to make it through And rise above when the rain falls down But it's so hard to be strong When you've been missin' somebody so long It's just a matter of time I'm sure But time takes time and I can't hold on So won't you try as hard as you can To put my broken heart together again Until the day I'll let you go Until we say our next hello It's not goodbye 'Til I see you again I'll be right here rememberin' when And if time is on our side There will be no tears to cry On down the road There is one thing I can't deny It's not goodbye...




"If You Are A Bird, I'm A Bird..."




( ... )







Um beijo no teu sorrir,

Como um carinho meu sempre por florir...

... e onde trago eu no coração aberto, esta minha mão. E na mão aberta trago eu nesta entrega, o coração. Mão e coração, como sempre e para sempre, assim eu de mim e para ti, te os desenhei. Abertos, pois sim. Libertos como o sonho de alguém que sabe sonhar nos sonhos do outro e construír realidades onde antes e para cada um sózinhos, apenas existiam vaidades. E é tão verdade que o horizonte que a eles assim se espelha, tão mais vasto e profícuo se torna a complexa simplicidade de um simples nascer de uma flor, tal como se para eles, apenas esta, nascesse e florescesse na beleza de um deles único respirar, o quão de belo tem o cantar de um nenufár pelas imensas águas ao verem eles raiar de uma manhã, todas as madrugadas em que juntos se viram correndo cada vez mais para lá do infinto dos longes e cada vez mais para cá, para o pertinho dos peitos que tão docemente se aninham no simples e meigo esquecer de quem abraça e de quem é, em carinho e meiguice pelo outro abraçado.
E um coração se tornam, assim ternura o sente e assim ternura se lhe entrega, quando num abraço sabor de sonho em brilhos brilhar de amor feito na cor de pétalas de um tão lindo e único olhar em flor, - o do seu Amor. Aquele que em mimos carinhos de céus e mares entregues na poesia de um seu olhar, faz da cor em cores feitas de um mar, todo o céu azul, branco algodão e meiguinho, porque este assim nasceu e assim cresceu, pelo murmurar de um carinho sabor a coração. O carinho ternurento que lhe sussurra que por cada lágrima do seu rosto existe sempre um sorriso, enquanto com um sorriso seu lhe a enxuga e de novo lhe vai repetindo, de que é na sua mão também aberta que escrito trás o seu nome, nas mesmas letras e nos mesmos traços com que ela lhe desenhou o horizonte no coração.

E uma cada vez mais, a certeza leve da tranquilidade me segreda, de que um simples e enternecido sorriso, bem como a mais leve e bonita das gargalhadas se assume como a mais bela das certezas. A certeza de que é lá, no coração que coxiste a mais pura e serena das verdades. A liberdade de Amar, Amando.







*A... (Sempre...







Musica: Enigma - "Je T'Aime Till My Dying Day"
Composição: 1 -
"Sweet November" ; 2 - AmrDiogo ( in Intersperses )
Photografia: n.a




SolarNature









sexta-feira, Fevereiro 19, 2010




Mysteries of Love...








Sometimes
A wind blows
And you and l
Float
In love
And kiss forever
In the darkness
And the mysteries of love
Come clear
And dance
In light
In you
In me
And show
That we
Are Love

...





E fecham-se os meus olhos para o sonho entrar
estes que segredam à noite todo o seu amor ao mar
e lhe roubam lágrimas de sal para chorar
pois é por ti e pelo teu brilhar que eles esperam e choram
pelas carinhosas e ternas lágrimas brisas do luar
junto ao mar a suspirar

São estes os olhos que sem a sua flor
choram baixinho a Primavera que não vem
enquanto o seu coração chora de amor
e na sua mão aperta toda esta dor

E é num sonhar aconchegado e meiguinho
e pelo luar aninhado, que em amor o meu olhar devolvo ao mar
agora que o meu coração sabendo-o aconchegadinho no sonho da tua mão
apenas chora baixinho, lágrimas de mel e carinho

Cala-se assim o segredo desta mão que tanto apertou a sua dor
ao ver pelos olhos desta infinita ternura que trago no coração
de novo a Primavera e a sua flor junto ao mar
Num eterno beijo ao luar






Musika: Antony and The Johnsons - "Mysteries of Love"
Excerto: AmrDiogo - SolarNature (reeditado e rearranjado Jan 2010)
Photografia: Kim Ramalho








SolarNature









domingo, Fevereiro 07, 2010




Mar dos Meus olhos...





Nunca mais o Mar dos meus olhos,
abandonou o céu do Teu olhar...




"Quando amamos alguém,
não perdemos só a cabeça,
perdemos também o nosso coração.
Ele salta para fora do peito e depois, quando volta,
já não é o mesmo, é outro,
com cicatrizes novas.
E outras vezes não volta.
Fica do outro lado da vida,
na vida de quem não quis ficar ao nosso lado."




É Teu, o Meu coração

pois foi no carinho de um abraço em trémula e aberta mão, que Eu assim fiz Teu, o meu coração...



And I will always Love you my beautiful Love... I will Love You till my dying day...



If I could be, who you wanted

If I could be, who you needed...

All the time,

All time...






SolarNature


~beijinho terno no teu sorriso :)









Musika-Paulo Gonzo ''Diz-me Tu'' (excerto final escrito-Radiohead)

Photografia - AmrDiogo

Excerto - Margarida Rebelo Pinto









domingo, Janeiro 10, 2010










Nunca os meus olhos foram rios de um rosto que se fez margem
ou o sentir da distância foi tão sentido e sofrido
Também antes nunca eles pararam no simples de um sorrir
ao olhar o branco alvo das nuvens que passam sem sentido e trazem novidades do mar
ou na pequena flor que às brisas floresce e lhes fala de amor
daquele olor perfumado pelo aroma dos dias onde és perfume de maresias
e lume aceso pelo céu estrelado onde num segredo silencias
o cantar esperado da Primavera a chegar

É confessar a uma estrela o conforto do calor sentido da sua luz
como se fosse ela fogueira acesa de alma flor vida abraçada sem dor
de cruz de crisântimos como orvalho em flor feitas de pétalas de amor
quais nuvens de coração em azul sabor céu como o seu véu
esvoante na minha mão e tão aconchegado no carinho do meu coração
onde pelo Primaveril perfume do teu olhar
caminho fosse onde um dia te vou encontar
onde pudesse eu te cantar e amar
na ternura de pétalas de flor e sorrisos de cor




Mas longo é o Inverno em que te tenho aqui comigo
sozinho nas gotas de àgua que teimam em escorrer pelos rios
que nascem nos meus olhos e sulcam o meu rosto
e em cada madrugada gélidamente esperada
onde apenas os riachos de um sorriso teu me aquecem se aninham e acarinham na sua foz
como a voz cantada pelo coração primavera
como pura e cristalina é a àgua que em carinho trazes e em amor aconchegada fazes chegada





E fecham-se assim os meus olhos para o sonho entrar
estes que á noite ao me roubam lágrimas de sal para chorar
porque por ti eles esperam e suspiram
por ti e pelas ternas brisas da lua a suspirar

E é num sonhar aconchegado e meiguinho
que assim o meu olhar se faz devolver ao mar
enquanto este meu coração chora baixinho
lágrimas de mel e carinho





E escrevo-te...
Cantando junto a ti no carinho de um beijo que todas as noites te dou ao adormecer
para que possas languidamente esboçar um sorriso de felicidade pelo amanhecer
Escrevo-te coração, Amor.
Este querer Mão estendida em meiguinhos suspiros contida,
feito canção de embalar pelas almas dadas em nascentes de Luar
como se só o mar entendesse o segredo de um olhar a sussurrar
e cala-se assim este calar cantado a segredar
pois é tão infinita a ternura que trago no coração
ao ver o teu terno rosto junto ao carinho do meu e juntos ao mar
desenhando o céu num eterno beijo ao luar


Um beijo nos teus sonhos lindos e um bonito adormecer
Num carihoso, terno e Primaveril sorriso tal qual uma linda flor pelo amanhecer


*A...









SolarNature









sábado, Dezembro 26, 2009




~~º











SolarNature









sexta-feira, Março 06, 2009




Endless Love










It's all coming back to me now
That strange and almost endless dream
Where I was you and you were me
You opened up your eyes and I could see
That you were falling from the world
As aimless as a shooting star in orbit around me
Thinking I was somebody else
And terrified to look at me and see yourself, well...






You are like a dream
And I am just a trip that you are on
When the trip is over you will go back
To the places that you once beloved
You will look for comfort there
And when you do you'll find that it has gone
That is when you'll dream a dream
Where I am you and you are me
And then you'll know my love






So don't be afraid
Your heart is in me
And it's racing so fast now
Cause everything we ever were or ever will be
Is shapeless as a changing cloud
Your letter written on the sky
I'm needing now to read it through my eyes
When you see just what I see
Then tenderly watch it change
And just let it be





Cause I am like a dream
And you are just a trip that I am on
When the trip is over I will go back
To the places that I once beloved
And I will look for comfort there
And when I do I know it will be gone
That is when I'll dream a dream
Where I am you and you are me
And then I'll know your love









...so quiet now...


(Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera,
para que continues me olhando.)




This is just some trip that we are on
When the trip is over we will think of this
As someplace that we once beloved
When I find no comfort here
I'll look again to find it in your arms
That is where I'll dream a dream
Where I am you and you are me
And that's where I know love











Musik: Conjure One - "Endless Dream"
Photografia: Sabine S. Photography
Poema: Pablo Neruda





SolarNature












sábado, Janeiro 10, 2009







E se fosse o bater deste meu coração
a pureza alva e o carinho de uma verdade em ternura tão só minha,
como uma gotinha de água sussurrada, translúcida e cristalina
Feita esta no murmurio de um segredo murmurado na dança de uma flor
em pétalas de palavras escolhidas, gritadas ao vento pelo amor
e escritas ternura em cada movimento que te fala
em cada compasso que te chama os olhos e que se cala


Leve é o amor verdadeiro, carinho e ternura cada palavra
palavras que se agitam com o coração e tocam levemente a gotinha
doces como o cantar feito perfume em dança coração flor
feito em palavras que a gritar deixam o coração na palma da mão
para pela sua paixão chamar, num gritar feito agitar
numa palavra assim feita amor de tanto a uma única flor
pelo seu coração ela amar


...






Transcrevo O'Neill,



"Há palavras que nos beijam"


Há palavras que nos beijam
Como se tivessem boca,
Palavras de amor, de esperança,
De imenso amor, de esperança louca.

Palavras nuas que beijas
Quando a noite perde o rosto,
Palavras que se recusam
Aos muros do teu desgosto.

De repente coloridas
Entre palavras sem cor,
Esperadas, inesperadas
Como a poesia ou o amor.

(O nome de quem se ama
Letra a letra revelado
No mármore distraído,
No papel abandonado)

Palavras que nos transportam
Aonde a noite é mais forte,
Ao silêncio dos amantes
Abraçados contra a morte.

Alexandre O'Neill


...

E é nestes momentos, nestes instantes
em que olho o céu e procuro o teu abraço no conforto de um estar,
na palma da tua mão, no perfume das pétalas e no silêncio dos teus olhos

E doi-me o rosto,
doi-me o rosto em lágrimas que da água doce que se fazem sal
lágrimas que não chegam aos meus lábios comovidos e embevecidos
neste perfume em que estendi para ti toda uma vida
É sal, mas é o sal que espero molhar
no dia em que as lágrimas dos teus olhos eu enxugar
quando o meu, o meu se misturar com o sal do teu
e estes, quando todos os rios se unirem se dissolverem nos lábios
quando as tuas lágrimas forem as minhas
e os meus olhos os teus.






Apenas queria que comigo aqui estivesses
para em ternura , pintar uma cor e colher uma flor

Esta flor que se chama Amor, Amor.







SolarNature











Musika: Michelle Featherstone - "Always For You"
Photos:1,2,3,4 - n.a









sexta-feira, Novembro 14, 2008




O Cantar da Saudade






Talvez me apeteça apenas o silêncio, o sibilar das brisas a cantar saudade
e o segredo do teu olhar, encanto meu e de todo um mar,
que das marés faz o seu cantar e de um verso seu,
o desvendar do tempo na sua idade,
deixando-me no espaço, a eternidade a gosto de um sempre
de um nele conhecer-te num amar e sabê-lo assim tão meu
quere-lo pequenino e também só tão teu

Sim. Talvez me apeteça apenas o silêncio,
o sibilar sussurrado dos teus lábios em mudas brisas
e que calam a surdez dos meus
na vontade do beijo calado,
como luares teus
em lugares meus

Ser terna ternura feita olhar
e num único olhar, saber olhar para o teu olhar

E amar,
amar-te, como se confessa-se a cada pétala do teu perfume
que apenas de uma única rosa nasceram
a rosa onde amanhã de novo acordarão o cristalino das águas
na cândura do lume,
no carinho de uma gotinha de água,
onde singelas e bonitas, principescas cresceram





E sabes. Há silêncios de silêncio que falam de silêncios de silêncio.
Olhares sabores a mar, quando um coração treme suspiros na mão o seu amar.
São esses os silêncios que escrevem amar nos teus olhos,
quando paramos caladinhos a beira-mar,
e o luar, apenas para que juntinhos possamos o infinito descansar,
escutar o olhar dizer que afinal,
amar é feito de mar e de luar
de lágrimas e sorrisos por confessar,
como toques de mãos, tímidos para não machucar
coração em pétalas ao alto para gritar esta grande dor
este zelar por cada lágrima feita deste mar,
desejada mel, feita papel

Este mesmo onde pelos instantes respiro o nome do teu coração no meu
sabendo que quando o chamar, ele estará palpitar na tua mão,
como pedaço de véu, levado pelo voar até ao céu de um teu sonhar

Alguma vez te tinha perguntado se sonhava o mesmo que tu gaivotinha alada de céu?
Nunca valeu a pena!!, é teu o meu sonhar, o meu mar e o meu olhar
este meu coração a gritar, calado, aninhado no véu no seu suspirar,
gritado neste carinho que sussurra baixinho este chamar
ao céu bradado





Sabes. Ás vezes dou comigo a levar-te pelos campos,
e não. Não há flores, nem abelhas, nem passarinhos a voar,
muito menos dores de lágrimas e distancias dissabores

Há sim os teus olhos,
esses olhos amêndoados de amêndoa que me fazem seguir o rio contigo num caminhar
eles, que me levam e fazem das cores do céu acompanhar
E fosses tu o céu e o teu olhar o meu véu,
que eu nada mais diria,
nada mais calaria,




Apenas te daria a mão e seríamos rio,
seríamos água pura cristalina em asas de ribeiros,
correndo regatos em nascentes, nascente a nascente,
espera marés lá de longe em poentes poemas só nossos
escritos feito horizontes de carinho levados pelo olhar calados
e onde ser pura neve, seja o branco alvo da tua pele
esse cândido ser saber embalar o sonhar no macio ternurento de uma nuvem,
que pelo acordar ela numa ternura ternura te entregue
e pelo perfume da tua pele, ela zele

Nuvem Algodão sonho feita do sono pesado da distância,
deste tão perto, que quando os rios choram,
tão perto ouço no rosto do meu coração, o mar a chamar

Por isso segredo às estrelas segredos meus
para serem também teus,
pois é o mar e o meu coração que te dei
pela minha mão





E se um dia eu os rios pensares que fiz eu chorar
mostro-te então, todo o sal que deste mar faço um guardar
para te mostrar,
Que serás eterna e efémeramente para todo o sempre
o meu único Amar.



(...)



E Ès... És tudo o que de mais importante eu guardo no meu coração... Por isso, Amar-te é assim pequenino, tão pequenino como uma pequena e intima fracção do tanto deste tudo que eu sinto por ti...
...este Tudo, o que para mim me faz ser e que na noite silênciosa e pela sua mão, me guia o tempo. Me leva até ao coro e à voz que me canta o nascer da mais bela rosa no perfume que ecoa pelos rios. Aquela que nas pétalas das suas pálperas, traz o orvalho cristalino de uma saudade feita nascente, e assim serena me encanta, ela que canta a luz em fios de cristal com que urde os mais belos mantos de constelações e pequeninas estrelas, em véus de céus, sabor a algodão-coração. E são tão pequeninas. Tão pequeninas que as espalha carinhosamente, uma a uma, pela palma da sua mão e onde só o seu coração aberto, juntamente com a realidade dos sonhos sonhados que foram, numa carícia, ternamente as sopra na candura de um olhar com maresias de mar, de sabor amar...




*A... (Forever....











Musika: Eri Sugai - "First Love"
Photos: #1 - vyneyard #2 - Ar' Alani #3 - Autumn leaves - win Vista #4 - Trees #5 - Ar' Alani




Solar Nature













sábado, Junho 14, 2008




Biological Integer





Powered by beta.joggle.com









Thousands of hairs
Two eyes only
Its you

Some skin
Billions of genes
Again its you

XX XY
That’s why it’s you and me

Your blood is red
It’s beautiful genetic love




Biological
I don’t know why I feel that way with you
Biological
I need your DNA


Your fingerprints
The flesh, her arm, your bones
I’d like to know
Why all these things move me

Let’s use ourselves to be as one tonight
Apart of me would like to travel in your veins




Biological
I don’t know why I feel that way with you
Biological
I need your DNA












Há uma ave muda que me fala de ti
É o bater do coração,
que grita à noite
de que esta tem um fim.

E nasces madrugada
pétalas da mão em flor,
que na voz pelo céu esperada
voas tu, canção de amor,
ar infinito sempre por voar
num beijo terno lançado ao mar.






Brancas nuvens de algodão a voar
pelo azul do céu do meu olhar.










...








Integral Of Elements In Sequence To The Time









Solar Nature







Photografia: #1 - #2 - Massimo Carolla #3 - Nikolai Stoilov
Musika: Air - "Biological"













terça-feira, Junho 03, 2008




A Praia II






Queria apenas um dia saber voar

poder descançar fados em descanços pela procura beijados
e pairar levemente nuvens brancas suaves sobre o nascer do mar
Queria poder saber beijar como rosas a florir pelos lábios ao amanhecer
e na ternura da entrega de quem beija o azul do céu a voar
sentir sorrir horizontes no olhar de quem ao acordar
sabe que em ternura foram apenas pétalas assim
estas de mim que a fizeram sonhar






E queria um só beijo teu assim poder levar
acarinhar, nestas mãos dadas feitas rios de contigo acompanhar
de como quem bebe nos lábios de um desejo
o ensejo que na alma trás o olhar
e no coração o luar



Pois são teus os azuis destes reflexos das marés




teu o fulgor com que brilhas no cristalino do tempo pelas águas
nesses gestos em que te guardas imagem que pernoita nos meus dias em luz
assim sempre tão longe no murmurar
sempre assim tão perdida no sempre de um sussurar
Como se sempre perto de ti alguém nunca ninguém estivesse
e a brisa que te sussurra a cantar
apenas assim a sonhar te o dissesse
Que é no infinito do mar
que o vento contigo se vai encontar
quando na tua luz
assim em ti se desenhar no teu rosto o luar
e essas ondas feitas do longe em azuis a ti juntas
contigo e por ti se irão um dia elas encontrar
para que seja no infinito de um abraçar a mar
que este te vá assim em azuis
para longe levar





para sempre
para junto do mar







Solar Nature






A minha vida é o mar o Abril a rua
O meu interior é uma atenção voltada para fora
O meu viver escuta
A frase que de coisa em coisa silabada
Grava no espaço e no tempo a sua escrita

Não trago Deus em mim mas no mundo o procuro
Sabendo que o real o mostrará

Não tenho explicações
Olho e confronto
E por método é nu meu pensamento

A terra o sol o vento o mar
São a minha biografia e são meu rosto

Por isso não me peçam cartão de identidade
Pois nenhum outro senão o mundo tenho
Não me peçam opiniões nem entrevistas
Não me perguntem datas nem moradas
De tudo quanto vejo me acrescento

E a hora da minha morte aflora lentamente
Cada dia preparada





Sophia de Mello Breyner Andresen











Photografia: #1- ... #2#3- Manfred Jung
Musika: